PEDRO II-PI

ASPECTOS DA DEGRADAÇÃO AMBIENTAL E DEPREDAÇÃO DE PATRIMÔNIO NO SÍTIO ARQUEOLÓGICO TORRES EM PEDRO II/PI

A degradação ambiental, devido às diversas atividades realizadas pelo homem, tem sido um tema bem discutido atualmente, principalmente quando a população passa a sentir os efeitos da perda de qualidade ambiental. (AMARAL; LIMA FILHO, 2015). O município de Pedro II é conhecido internacionalmente devido sua cultura, paisagens, cachoeiras, mirantes e sítios arqueológicos e por esta razão, torna-se forte atração turística daí a importância de se preservar os bens materiais e imateriais.

Embora a preservação dos sítios arqueológicos esteja prevista em lei e seja importante do ponto de vista histórico, sócio econômico e ambiental o sítio arqueológico torres em Pedro II apresenta inúmeros impactos negativos proveniente de ações de visitantes e moradores próximos.

De acordo com  Silva; De Melo; Parellada, (2006) a preservação dos sítios arqueológicos é fundamental para o meio ambiente e a sociedade, tendo em vista que, além de produzir conhecimento científico a preservação da memória e da identidade é uma imposição de natureza legal e política para garantia da soberania e da segurança nacional.

Neste sentido este artigo tem como objetivo avaliar os impactos ambientais provenientes de ações antrópicas no sítio arqueológico Torres em Pedro II – PI. Realizado através de visitações ao local onde constatou-se depredações da estrutura de proteção e das pinturas rupestres, descarte de lixo, fogueiras, pichações, retirada de vegetação e queimadas.

Ao final da pesquisa, observou-se que impactos desta natureza trazem perdas qualitativas ao patrimônio ambiental, histórico e cultural do município de Pedro II. Indica-se assim, que os órgãos responsáveis a elaboração de atividades que visem minimizar tais impactos, afim de evitar que estas consequências venham a se tornar irreversíveis. prioritariamente, vale ressaltar a necessidade da conscientização da população em preservar esses importantes pontos turísticos da cidade.

Almir Orsano dos Santos

Este slideshow necessita de JavaScript.

REFERÊNCIAS:

SILVA, Alessandro Giulliano Chagas; DE MELO, Mário Sérgio; PARELLADA, Claudia Inês. Pinturas rupestres em abrigo sob rocha no sumidouro do rio Quebra-Perna, Ponta Grossa, Paraná. Publicatio UEPG: Ciências Exatas e da Terra, Agrárias e Engenharias, v. 12, n. 01, 2006.

AMARAL, Antônio José Rodrigues; LIMA FILHO, Clóvis Ático. Mineração. 2015.

__________________________________________________________________________________________________

Histórico

Nossas ações em Pedro II

Aqui você encontra também relatos do nosso histórico de ações e projetos realizados anteriormente na região.

O Epa em Pedro II

Este slideshow necessita de JavaScript.

As ações de educação com enfoque no Patrimônio Histórico Cultural e Artístico realizadas no município de Pedro II – PI, desenvolvidas pelo Projeto EPA – Educação Patrimonial, iniciou-se como projeto de  Extensão vinculado ao Curso de Arqueologia e Conservação de Arte Rupestre da Universidade Federal do Piauí, em 2012 e continua até hoje, cadastrando-se a Pró- Reitoria de Extensão (PREX), com o objetivo de propagar e promover a arqueologia e os patrimônios piauienses de forma geral. Por meio das ações nosso objetivo é socializar o conhecimento da Arqueologia através da educação patrimonial para valorização e proteção do patrimônio histórico cultural local, fortalecendo a noção de pertencimento e preservação.

2014 – Arqueologia, Turismo e Educação Patrimonial: ações efetivadas com os guias de Pedro II, Piauí, Brasil

2014 – Capacitação de Educação Patrimonial para os professores Municipais de Pedro II – PI – Brasil

2016 – Curso de Educação Patrimonial voltado para comunidade e alunos do Instituto Federal do Piauí De Pedro II

2017 –   Curso – A importância da divulgação e pesquisa do Patrimônio  Histórico Cultural e Artístico de Pedro II, Finalizando com a montagem de uma exposição e apresentação de filme na praça.

AÇÕES DE EDUCAÇÃO PATRIMONIAL 

A educação patrimonial só pode ser efetivada de fato se conseguir penetrar no cotidiano da população. O “educador patrimonial” tem de ser provido de sensibilidade suficiente para quebrar as barreiras que existem entre os mesmos e a comunidade, procurando fazer laços e relações de confiança e amizade, conhecendo e reconhecendo suas dificuldades e diferenças, desenvolvendo atividades junto à comunidade e não para a comunidade.

Essas experiências junto à comunidade demonstram o quanto essas ações são benéficas e levam as mesmas a auto reflexão acerca da valorização da cultura da sua cidade ou município, ou seja, a cultura de seu povo.

Preparação da exposição e mostra de filme Narradores de Javé na praça, Pedro II
Preparação da exposição e mostra de filme Narradores de Javé na praça, Pedro II

Em Pedro II, foram realizadas palestras e oficinas educativas com guias locais, visando uma melhor capacitação dos mesmos e partilhar de forma recíproca conhecimentos. As palestras versaram sobre o que é arqueologia, o trabalho do arqueólogo, a legislação pertinente ao patrimônio, a definição e as subdivisões do Patrimônio Cultural, a importância das ações de educação patrimonial e os levantamentos dos trabalhos de cunho arqueológico realizados no município.

As oficinas contaram com caixa de areia (quadrícula), visando mostrar na prática como funciona a escavação; jogos educativos (jogo dos sete erros), no intuito de fazer com que os participantes identificassem nas fotografias referentes ao sítio arqueológico Torre I problemas vigentes atuais; e oficinas de cerâmica, com o objetivo de mostrar aos guias o processo de produção das mesmas.

O encontro com a presença e testemunhos de personagens de dentro da própria comunidade estudada, estimulou o saber e provocou em cada um o gosto pela continuidade e multiplicidade dessas ações.

A Educação Patrimonial tem por objetivo buscar novas formas de interação entre o passado e o presente como uma forma de preservar suas riquezas para gerações futuras. Essas ações são garantidas pela constituição federal de 1988, no Art. 215, que dispõe: “O Estado garantirá a todos o pleno exercício dos direitos culturais e acesso as fontes da cultura nacional, e apoiará e incentivará a valorização e a difusão das manifestações culturais”.

20 Pedro II setembro de 2017 (19) (1)
Preparação da exposição e mostra de filme Narradores de Javé na praça, Pedro II

Acreditamos que as ações realizadas foram relevantes, uma vez que, proporcionaram interação entre ambas às partes, meio acadêmico e comunidade, através da troca de conhecimentos e experiências. No entanto, torna-se necessária a continuidade das ações, não ficando restrita apenas aos guias, mas a comunidade como um todo.

As aulas práticas mostram-se fundamentais na aquisição de experiências, estas permitem a análise de elementos na paisagem, cruciais para o entendimento da mesma. Os indivíduos, através dessas práticas, desenvolvem habilidades de interpretação.

O município de Pedro II possui um acervo arqueológico e natural riquíssimo. No entanto, as atividades de vandalismo presente no sítio de arte rupestre Torre I constituem uma preocupação para a atualidade. Deste modo é importante que a sociedade atual tenha consciência da importância desse patrimônio para conservar esse recurso para as gerações futuras.

Assim, são necessárias medidas eficientes (por ex. atividades de Educação Patrimonial e providências dos órgãos competentes no sentido de dar subsídios para inibir a atuação de vândalos e criar condições para que o local venha a ser um ponto turístico de município apreciado e utilizado de forma sustentável), a fim de resguardar esse valioso patrimônio para gerações futuras e desenvolvimento de pesquisas científicas.